Qual é o Significado do Natal?

Significado do Natal

O verdadeiro significado do Natal é celebrar a memória do nascimento do Menino Jesus. Trata-se de recordar a história da vinda de Deus em nosso meio: “Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um filho, que se chamará Emanuel (Is 7, 14), que significa: Deus conosco” (Mt 1,23).

Teologicamente, é o momento de compreender e celebrar o mistério da encarnação: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus.Ele estava no princípio junto de Deus. […] E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1,1-2.14).

No Natal, memoramos o fato pelo qual “um Menino nos foi dado”. No silêncio de um olhar, na delicadeza de um corpo e no choro e na pequenez de um recém-nascido, Deus se revela plenamente a nós. Deus se revela à humanidade de forma plena e absoluta, inaugurando o seu Reino de amor e justiça. Nada de grandioso e/ou espetacular, pois Deus, no Menino, revela-nos sua própria essência: simplicidade e ternura.

 

Símbolos mais importantes

Dentre os principais símbolos que estão relacionados ao Natal, os mais significativos para nós cristãos são: o presépio, a estrela e a vela.

O presépio é uma maneira singela de se fazer referência ao momento do nascimento de Jesus Cristo. O termo presépio origina-se do latim praesaepe e significa estrebaria, curral, estábulo. Jesus nasceu num ambiente assim, não porque seus pais escolheram este lugar, mas porque foi o único que lhes restou. Estando eles ali, completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria” (Lc 2,6-7).

Segundo a Tradição cristã, o primeiro presépio foi montado por São Francisco de Assis no Natal de 1223. O objetivo de Francisco era explicar, de modo singelo e imagético, como foi o nascimento de Jesus.

A estrela aponta o caminho, o sentido, a direção a ser seguida. Indica onde está a Luz maior que é o próprio Jesus, Filho de Deus. Foi a estrela que indicou o nascimento de Jesus aos reis magos (Baltazar, Gaspar e Melquior): Tendo, pois, Jesus nascido em Belém de Judá, no tempo do rei Herodes, eis que magos vieram do oriente a Jerusalém.Perguntaram eles: Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? Vimos a sua estrela no oriente e viemos adorá-lo” (Mt 2,1-2).

A estrela guiou os magos até o local do nascimento: Tendo eles ouvido as palavras do rei, partiram. E eis que e estrela, que tinham visto no oriente, os foi precedendo até chegar sobre o lugar onde estava o menino e ali parou.A aparição daquela estrela os encheu de profunda alegria” (Mt 2,9-10).

A vela também é muito significativa. Pois, quando acontece de acabar a luz, à noite, corremos acender uma vela, cuja luz nos traz segurança e afasta escuridão. A vela, no Natal, simboliza a luz de Cristo que dissipa as trevas, ilumina e indica o caminho por onde devemos seguir. “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12). E “vós sois a luz do mundo … não se acende uma candeia para se pôr debaixo de uma vasilha, mas num candelabro para que ilumine todos os da casa. É assim que deve brilhar vossa luz” (Mt 5,14-16).

Por outro lado, há símbolos que deveriam ser evitados devido sua distorção. Historicamente, atribui-se a origem do papai noel ao Bispo Nicolau que, por ocasião do Natal, costumava sair pela cidade com um saco distribuindo ajuda aos necessitados. Mas infelizmente, hoje em dia, a figura do papai noel e a questão de presentes estão demasiadamente atrelados ao comércio, ao consumismo. A grande preocupação não é mais ajudar os necessitados. Numa sociedade capitalista e competitiva o foco é econômico, é saber quem vai vender e lucrar mais…

O Natal cristão não combina com consumismo. Pelo contrário, a cada ano somos convidados a renovar nossas esperanças celebrando o nascimento do Menino Jesus. Somos convidados a iniciar um novo ciclo na perspectiva de elevar nossa espiritualidade na busca de uma maior unidade com o Criador e com as criaturas.

Os valores cristãos dinamizados no Natal devem ser vivenciados constantemente por meio de pequenos gestos e práticas de amor, solidariedade, justiça, bondade, cuidado. A Vida e a Luz que brotam do Natal devem se estender ao longo de todo o ano e a toda a humanidade.

Movido pelo espírito natalino de serviço e gratidão, agradeço à Trindade Santa pelo ano que está findando e desejo a você e aos familiares, um Santo e Feliz Natal.

Autor: Denilson Aparecido Rossi.
(Teólogo, Filósofo, Professor e Palestrante).

Fotos: google imagens


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*